ASSEMBLEIA REJEITA PROJETO PARA PLEBISCITO SOBRE PRIVATIZAÇÃO

A Assembleia Legislativa (AL) do Rio Grande do Sul rejeitou na terça-feira (05.06) o projeto que autorizava a redução de 150 para 90 dias do prazo para a realização de um plebiscito que tratava da privatização da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), Companhia Riograndense de Mineração (CRM) e da Sulgás. Os deputados estaduais recusaram o texto do projeto por um placar de 29 votos contra a 23 a favor. 

O governo se apressou em apresentar o projeto que modificava a legislação, que definia que a realização de consultas plebiscitárias deveria acontecer antes das eleições de outubro. O Piratini havia conseguido mais cedo, no mesmo dia, a aprovação na Mesa Diretora do requerimento do governador José Ivo Sartori, com a justificativa de que o estado não tinha dinheiro suficiente para investir nas três estatais. 

Por outro lado, os deputados contrários defendiam a manutenção das companhias alegando que elas eram importantes por sua alta produtividade e rentabilidade. Segundo o líder do PSDB na Assembleia Legislativa, Lucas Redecker, o projeto foi prejudicado pelo curto tempo para o debate da questão.  

“O PSDB não muda sua posição, é favorável ao plebiscito. Agora, ele não é favorável à redução de cinco para três meses de discussão do plebiscito que acarretaria o debate nas eleições. Nós temos muito o que debater nas eleições e nós achamos que é um curto prazo para debater esse assunto nas eleições”, explica. 

Após a votação muitas pessoas se reuniram em frete a Assembleia Legislativa para comemorar o resultado da votação. Com a reprovação do projeto, a consulta popular sobre a privatização não pode mais acontecer em 2018. 

(Equipe do site)

Um comentário em “ASSEMBLEIA REJEITA PROJETO PARA PLEBISCITO SOBRE PRIVATIZAÇÃO

  • Caro Diego,

    Onde encontramos a lista dos deputados que votaram no plebiscito de ontem?

    ​Vamos divulgar essa lista!

    Obrigado!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *