500 BRASILEIROS FORAM PRESOS POR IMIGRAÇÃO ILEGAL NOS EUA 

Dados do Departamento de Segurança Interna indicam que 500 brasileiros estão presos nos Estados Unidos sob a acusação de imigrarem ilegalmente para o país. De acordo com a entidade, 207 dessas pessoas já têm ordens de deportação e o restante ainda aguarda o julgamento final de sua situação na justiça americana. 

Conforme explica a embaixadora Luiza Lopes, diretora do Departamento Consular de Brasileiros no Exterior do Itamaraty, a população carcerária brasileira tem um perfil diferente do que o usual nos EUA. Ela afirma que, enquanto nos demais países 40% das prisões são feitas por causa do tráfico de drogas, o mesmo índice de brasileiros estavam atrás das grades por entrar no país de forma irregular ou permanecer além do que o visto permitia. Os Estados Unidos têm uma legislação de severidade excepcional nessa área (imigração)”, comenta. 

As estatísticas de deportação dos EUA indicam que a imigração de brasileiros para o país cresceu bastante nos dois últimos anos, após apresentar queda entre 2013 e 2015. O número de pessoas deportadas pelas autoridades migratórias passou de 744 em 2015, para 1.095 em 2016, e aumentou ainda mais no ano seguinte, quando 1.413 brasileiros foram removidos do país. 

Segundo Lopes, esse intenso aumento da migração de brasileiros para os EUA se deve a recessão econômica que o País enfrenta desde 2014, o que leva muitas pessoas a saírem do Brasil com suas famílias e filhos em busca de melhores oportunidades. A questão foi evidenciada nessa semana pela crise das separação de famílias provocada pela política de pouca tolerância à imigração defendida por Donald Trump. 

Desde que a prática foi implementada, em maio, pelo menos 49 crianças brasileiras foram separadas do pais na fronteira com o México e colocadas em abrigos para menores nos EUA. O assunto gerou comoção mundial e pressionou o presidente norte-americano a determinar o fim da medida na quarta-feira (20.06). 

(Equipe do site)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *