O Relatório de Ameaças à Nuvem 2018, que foi realizado pela KPMG em parceria com a Oracle, indica que 90% dos profissionais que atuam em segurança da informação classificam como sensíveis mais da metade dos dados que são armazenados em nuvem. O levantamento também mostrou que, embora 97% dos entrevistados alegaram que suas empresas contavam com políticas de aprovação de serviços de nuvem, 82% ainda se mostraram preocupados com o cumprimento dos processos por parte dos funcionários nas empresas em que atuam. 

A pesquisa também indicou que 89% dos participantes do estudo esperam que as empresas em que trabalham destinem mais investimentos para a segurança cibernética no próximo ano. Leandro Augusto, que é sócio de cibersegurança da KPMG no Brasil, explica que essa crescente preocupação está alinhada com o aumento do número de dados armazenados em nuvem, que se elevaram bastante nos últimos anos. “As organizações estão enfrentando dificuldades para proteger seus dados em meio a um crescente número de violações de segurança. Este cenário já vem causando uma movimentação no mercado e os gastos com segurança cibernética estão em ascensão”, comenta.

Entre as estratégias para reforçar a segurança de dados sensíveis em nuvem, a maioria os entrevistados acreditam que é preciso saber detectar incidentes de segurança e ser capaz de reagir rapidamente. Nesse sentido, o relatório demonstrou que ainda existem importantes desafios que devem ser superados no setor já que apenas 14% dos participantes do estudo se disseram capazes de analisar a segurança da maior parte de seus dados e 26% afirmaram que sentem falta de políticas unificadas em relação a infraestruturas díspares.  

O estudo contou com a participação de 450 profissionais de segurança cibernética e tecnologia da informação, pertencentes a organizações públicas e privadas de diferentes países como Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Austrália e Cingapura. 

(Equipe do site)

Este post tem um comentário

  1. NENHUMA NOVIDADE!
    Há muito que se sabe disto. Entendo que as opiniões são até conservadoras, pois na real deve beirar os 95%.

Deixe uma resposta

Fechar Menu