“COCAÍNA DO COMPORTAMENTO” É UTILIZADA PARA VICIAR USUÁRIOS EM REDES SOCIAIS 

Uma investigação/documentário produzida pela BBC afirma que Facebook, Twitter e Snapchat utilizam uma espécie de “cocaína do comportamento” para viciar seus usuários a fim de manter seus usuários engajados em seu conteúdo. Em entrevista para a rede britânica, Aza Raskin, que foi o responsável por inventar o recurso de rolagem infinitas em sites, comentou que o objetivo das plataformas é promover um comportamento aditivo e que isso é desenvolvido por uma série de engenheiros das redes sociais. 

“É como se eles estivessem pegando uma cocaína comportamental e espalhando por toda a sua interface. E isso é o que mantém você voltando e voltando. Por trás da tela do seu telefone, geralmente ou literalmente, há mil engenheiros que trabalharam nisso para tentar torná-lo mais viciante”, explica. 

Segundo ele, as empresas de tecnologias testam inúmeras vezes as mais diversas maneiras de viciar usuários, o que envolve até mesmo modificar a cor ou o botão de “Curtir”. Sandy Parakilas, executivo que já trabalhou no Facebook, alega que as redes sociais são planejadas para serem viciantes de tal maneira que até mesmo muitos colegas de profissão acabaram se tornando dependentes.  

“Havia definitivamente uma consciência do fato de que o produto era viciante e formador de hábitos. Você tem um modelo de negócios projetado para engajar e levá-lo a basicamente sugar o máximo de tempo possível e depois vender essa atenção para os anunciantes”, comenta ele. 

O vice-presidente de parcerias do Facebook, Ime Archinong, admitiu que isso realmente está acontecendo e que a empresa está “tentando entender se há elementos que estão prejudicando as pessoas”. Em comunicado oficial, a rede social alegou que as afirmações da BBC são “imprecisas”. 

“As alegações que surgiram durante o processo de produção da BBC Panorama são imprecisas. Facebook e Instagram foram projetados para aproximar as pessoas de seus amigos, familiares e das coisas com as quais se importam”, diz em parte da nota. 

(Equipe do site)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *