FRAGILIDADE ECONÔMICA É DESAFIO PARA CANDIDATOS A PRESIDÊNCIA 

Em meio a aproximação da disputa presidencial, a frágil recuperação econômica do Brasil é um grande desafio a ser enfrentado pelos presidenciáveis. É isso que destaca o economista-chefe do banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves, no Folha de São Paulo, lembrando que os dados divulgados pela Caged na sexta-feira (20.07) confirmam esse cenário. 

Os indicadores referentes a junho e julho mostraram que o País teve uma leve queda no número de contratações e demissões, contrariando as expectativas Caged, que eram de uma alta modesta. A indústria e o comércio, por exemplo, tiveram um desempenho bastante abaixo do ano passado, com o corte de mais de 40 mil vagas. 

Mesmo com da greve dos caminhoneiros tendo afetado a inflação e o desempenho do Caged, o IPCA-15 referente a julho mostra que esses efeitos são temporários e reversíveis. Prova disso são os preços sensíveis ao dólar e à demanda e os valores dos alimentos que ficaram com uma alta de apenas 0,64%, explicada pelo aumento dos custos da energia elétrica e do transporte. 

Além disso, o Governo Federal emitiu um relatório bimestral sobre receitas e despesas onde alguns resultados foram interpretados como positivos e outros como negativos. A equipe econômica de Michel Temer reviu as premissas da inflação e da taxa de câmbio para cima e as estimativas de crescimento do PIB para baixo. 

(Equipe do site)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *