LULA NÃO SE ENTREGARÁ EM CURITIBA

O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva pretende não se entregar à Polícia Federal de Curitiba. A determinação expedida pelo juiz Sérgio Moro na quinta-feira (05.04) possibilita que o petista se dirija voluntariamente à capital paranaense até as 17 horas de hoje (06.04). 

Lula passou a noite no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, onde se reuniu com diversas frentes políticas, tanto do Partido dos Trabalhadores quanto de outras siglas. Segundo o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamoto, uma viagem do ex-presidente à Curitiba implicaria em dificuldades de logística e de segurança. 

Ao mesmo tempo, Lula aguarda o resultado de um novo habeas corpus, que foi enviado por seus advogados ainda nessa manhã, e que precisa ser avaliado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). No documento a defesa pede que seja considerada uma liminar para suspender a prisão provisória do petista até que o julgamento seja realizado.  

Caso Lula não se entregue voluntariamente à Polícia Federal, seja em Curitiba ou até mesmo em São Paulo, a PF pode executar o mandado de prisão na própria sede do sindicato, assim que acabar o prazo estipulado por Moro. O Senador petista Lindenbergh Farias concorda com a decisão do ex-presidente. “Se eles querem prender, que executem a prisão. Que venham pra cá. Ter manifestação pode trazer um clamor internacional”, afirma. 

A decisão de Lula de não cumprir a ordem de prisão será interpretada como desobediência ou até mesmo pode ser vista como intenção de fuga, o que dificulta uma possível redução da pena no futuro. O ex-presidente ainda não se manifestou publicamente sobre a sua decisão. 

Um comentário em “LULA NÃO SE ENTREGARÁ EM CURITIBA

  • Diego: sei que não vais gostar do meu comentário mas são impressionantes as tentativas diárias do Sr. Ricardo Boechat, que usa todos os meios de comunicação possíveis da Band, p/ debochar do Moro, insistir na “defesa” do Luladrão e por esse motivo está sendo bombardeado pelos brasileiros de bem do Brasil.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *