MADURO LIBEROU US$ 4 BILHÕES PARA A ODEBRECHT

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, destinou mais de US$ 4 bilhões para obras da Odebrecht. Informações publicadas pelo jornal Estado de São Paulo, dizem que documentos entregues a promotores brasileiros e venezuelanos mostram que o montante era destinado a projetos financiados em partes pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDSS).

As investigações revelaram que esses recursos não estavam no orçamento aprovado pelo Legislativo e que essa liberação fazia parte do acordo entre Maduro e a construtora, que já havia admitido anteriormente que financiou a campanha do presidente através de caixa 2. Os documentos mostram que o pagamento aconteceu somente dois dias após as eleições de 2013 e contém um recado de Maduro, frisando que era “muy urgente” realizar os pagamentos, que se estenderam até 2015.

Em delação, Euzenando Azevedo, ex-diretor da Odebrecht, afirmou que se encontrou com o suposto coordenador da campanha de Maduro, o venezuelano Américo Matta, e combinou o repasse de US$ 35 milhões para a campanha de 2013 em troca da priorização de recursos de fora do orçamento para bancar obras da Odebrecht.

Já outra parte das informações partiram da delação dos publicitários Mônica Moura e João Santana, que acusam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de pedir, por telefone, que colaborassem com a campanha de Hugo Chávez. “O vínculo de confiança com a Odebrecht fez com que a empresa ajudasse no pagamento de campanhas feitas em países onde ela tinha negócios, como Angola, Venezuela e Panamá”, afirma Santana.

O publicitário ainda diz, em documento liberado pelo Ministério Público, que o PT ficou devendo US$ 15 milhões, dos valores que se comprometeu a pagar desde a primeira campanha de Lula em 2006. Segundo ele, uma das formas encontradas para quitar a dívida foi destinar cerca de 20% do custo oficial das campanhas. “Utilizando recursos ilícitos que tinha para receber de empreiteiros”, conclui.

Um comentário em “MADURO LIBEROU US$ 4 BILHÕES PARA A ODEBRECHT

  • É pra torrar toda essa gente no microondas (tática usada no filme Tropa de Elite). Diego, só corrige no primeiro paragrafo: É BNDES e não BNDSS (sendo chato rsrsrsrsrs). Abraço!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *