MAIOR PARTE DO FUNDO ELEITORAL SERÁ DIVIDIDO ENTRE MDB, PT E PSDB

Um levantamento feito pelo jornal O Globo com base na legislação eleitoral aponta que mais de um terço do total do fundo público destinado para campanhas políticas será divido entre MDB, PT e PSDB. Do total de R$ 2,3 bilhões do fundo, essas legendas consumirão R$ 850 milhões. 

Nesse cenário, apesar da cobrança por renovação política o fundo eleitoral manteve a maior parte de seu montante destinado para os partidos que dominam as bancadas no Congresso e na Câmara, o que deve ajudar a manter essa tendência. Além dos partidos menores ficarem com uma parte bem menor desse dinheiro, outro fator que limita a renovação é que as legendas pretendem destinar mais dinheiro para a reeleição dos parlamentares, o que significa menos incentivo para aqueles que se candidatam a cargos menores. 

O fundo público eleitoral também amplia o poder dos presidentes das legendas, que se tornaram os responsáveis por definir para onde o dinheiro irá. Antes, cada candidato poderia pedir doações às empresas e o caixa 2 era dividido entre todos, porém agora os candidatos dependem muito mais de suas cúpulas nacionais e regionais já que cada partido vai adotar uma fórmula de divisão dos recursos, que deve ser aprovada por suas comissões executivas. 

As siglas que lançaram candidatos para concorrer à presidência da República devem fornecer grande parte para a campanha desses, principalmente em casos de candidato que tem chances maiores de vencer como é o caso de Ciro Gomes, do PDT e Geraldo Alckmin, do PSDB. E acordo com o presidente do PDT, Carlos Lupi, afirma que foi decidido que será destinado uma parte do dinheiro para campanhas majoritárias. 

“A pressão sobre os presidentes aumenta porque agora só tem uma fonte de financiamento. Nós vamos dividir o total em três partes. Eu acho que, com a candidatura do Ciro, teremos mais candidaturas majoritárias nos estados. Para as campanhas de deputados, vamos repassar mais recursos para aqueles que vão se reeleger, mas eu quero ver se conseguimos aumentar a bancada da Câmara também”, conclui. 

(Equipe do site)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *