MELHOR EFICIÊNCIA NO SUS PODE RENDER ECONOMIA DE R$ 115 BILHÕES

Uma análise realizada pelo Banco Mundial aponta que uma melhora no Sistema Único de Saúde (SUS) poderia resultar em uma economia de 16,5% nos gastos em saúde nos próximos 12 anos, o que significa que o Brasil deixaria de gastar R$ 115,6 bilhões. As projeções foram apresentadas durante o Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass), que aconteceu em Brasília e reuniu gestores e pesquisadores do Brasil, Reino Unidos, Canadá Portugal e Costa Rica. 

A previsão da instituição é de que, se o País mantiver seus gastos com saúde em torno dos R$ 295 bilhões ao ano, esse montante chegará a R$ 701 bilhões em 2030. Thomas Hone, pesquisador do Imperial College London, acredita que um dos principais problemas do setor é a sobrecarga da procura médica e a ineficiência. “Não há hipótese de o cidadão acessar direto especialistas e hospitais. A maioria procura o serviço de saúde com queixas que podem ser resolvidas na atenção primária”, afirma. 

Para o economista Edson Araújo, responsável pela área de saúde, nutrição e população do Banco Mundial, uma solução para o problema seria a melhora da atenção primária. De acordo com a projeção do Banco Mundial, há potencial para que o número de consultas com profissionais da saúde que não sejam médicos possa aumentar em 98%, o que faria com que os médicos pudessem se debruçar sobre casos mais graves e específicos, aumentando a produtividade do sistema. 

O economista também acredita que outro fator que resulta na ineficiência do SUS é o grande número de hospitais de pequeno porte que têm menos de cem leitos, o que não é atrativo para profissionais qualificados e também dificulta o acesso a todas as tecnologias necessárias. Uma das formas adotadas por alguns estados brasileiros para ampliar a qualidade do atendimento e melhorar a eficiência de média e alta complexidade é a criação de uma rede de consórcios de saúde a fim de manter ao menos um hospital com uma série de especialistas disponíveis para atender casos graves. 

(Equipe do site)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *