MINISTRA DO TST CONSIDERA GREVE DOS PETROLEIROS ILEGAL

A ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Maria de Assis Calsing, declarou que a greve dos petroleiros que havia sido anunciada em apoio às paralisações dos caminhoneiros é ilegal em decisão tomada na terça-feira (29.05).  Foi fixada uma multa de R$ 500 mil por dia em caso de descumprimento da ordem. 

A manifestação foi considerada ilegal porque a ministra entendeu que ela tem motivos políticos que “beira o oportunismo” já que não há reivindicação de condições de trabalho ou salário. Além disso, a decisão levou em conta um acordo coletivo que está em vigor, assinado pela Petrobras e o sindicato da categoria, onde “não se vislumbra a proximidade” de uma data para o reajuste salarial.  

O pedido para decretação de ilegalidade foi feito pela Advocacia-Geral da União (AGU) e pela Petrobras. De acordo com essas entidades, é necessário reconhecer a nulidade da greve, até porque “a redução da produção ou a sua completa paralisação geram prejuízos gravíssimos à sociedade, tendo em vista o potencial para prejudicar o abastecimento do mercado interno de gás natural, petróleo e seus derivados”. 

As entidades também defendem que uma eventual ocupação nas unidades produtivas iria gerar uma série de riscos de acidentes, além de custar cerca de R$ 349 milhões por dia para a Petrobras. Esse valor inclui perdas de R$ 300 no faturamento e de R$ 9 milhões com o acionamento de equipes de contingência.  

(Equipe do site)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *