PEDOFILIA DISFARÇADA – por Diego Casagrande

A pedofilia é um dos maiores crimes que o ser humano pode cometer. Difícil encontrar palavras que verdadeiramente descrevam a indignidade que é um adulto utilizar crianças para seu deleite sexual. É abjeto, nojento e criminoso por várias razões. Crianças são vulneráveis fisicamente, visto que um adulto sempre terá mais força. Crianças são vulneráveis moralmente, uma vez que ainda não distinguem com exatidão o certo, o errado e os riscos de seus atos. Crianças são vulneráveis psicologicamente, já que o que mais precisam é de afeto e proteção. O pedófilo é um predador covarde que invade de forma violenta o espaço lúdico da infância e a aniquila. O resultado é a destruição da inocência, de sonhos, e não raro da esperança de viver dos adultos de amanhã. Vítimas de pedofilia carregam para sempre as cicatrizes do abuso.

Na semana passada um sujeito que se diz artista fez uma performance nu, com a genitália à mostra, no MAM (Museu de Arte Moderna) de São Paulo. A ideia era que as pessoas interagissem com o corpo estendido em um tablado. Qual não foi a surpresa e o choque dos brasileiros ao ver que uma menina de 4 anos tocava nos pés e na canela do homem, com o estímulo da mãe. As imagens do absurdo viralizaram nas redes sociais e expuseram o lado nefasto de uma cultura de relativização que está presente sobretudo no ambiente artístico.

Não se trata de discutir se é arte ou não, ou se você acha de bom gosto e eu não. Estamos falando de pedofilia – ou sua apologia – algo que não pode, em nome da liberdade, ser tolerado mesmo em ambientes ditos “artísticos”. Notem que há um movimento sub-reptício no sentido de misturar pedofilia com o que seria arte moderna, de forma que tal violência seja socialmente aceita e não possa ser atingida pela lei. Esta mesma corrente se encontra com outra que propõe abordar tamanha perversão como doença tratável, pois assim também escaparia da criminalização. Enfim, estão tentando abrir as portas do inferno para nossas crianças.

A gravidade do momento e o avanço sobre a infância não comportam qualquer conversinha mole que não seja a contundente crítica e repúdio contra crimes disfarçados. O Brasil precisa de mulheres e homens com fibra e clareza de propósito para impedir que a sarjeta moral seja nosso repouso eterno enquanto nação.

Um comentário em “PEDOFILIA DISFARÇADA – por Diego Casagrande

  • Vi várias pessoas falando que a menina só tocou a mão e o pé do suposto artista. E se ela tocasse o pênis, o que a mãe faria? E o “artista ” ? E o público que estava ali assistindo?Afinal o cara estava ali nu e a interação poderia ser em qualquer parte do corpo. Gostaria de saber se estes que estão achando que não tem nada demais continuariam com a mesma opinião.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X

Pin It on Pinterest

X
Assine nossa Newsletter