POLÍCIA UTILIZA ANÁLISES FORENSES DE DNA E BIG DATA PARA ENCONTRAR CRIMINOSOS

A polícia americana está utilizando um banco de dados que contém perfis de DNA para definir culpados de cometer crimes. As amostras de DNA são armazenadas em sites de dados como o GEDmatch, que permite a consulta de informações sobre histórico genético, o que torna possível combinar o DNA do suspeito com perfis de DNA publicamente disponíveis.   

Atualmente muitas informações derivadas do DNA como cor da pele, cabelo e olhos, ajudam a polícia a descartar os suspeitos da investigação até se chegar a um culpado. Recentemente o site que contém os bancos de dados ajudou a polícia americana a encontrar o culpado no caso do “Assassino do Estado Dourado” que aconteceu a 40 anos atrás.  

Mesmo com a prisão de Jospeh James DeAngelo, que atualmente tem 72 anos, e a repercussão da solução do caso após a observação de que o DNA de DeAngelo correspondia parcialmente a um perfil encontrado no GEDmarch, muitos ainda se mostram receosos com o sistema. Mark Wiebes, superintendente-chefe holandês, afirma que o uso desses sites nunca seria viável em seu país.  “Em casos de longa duração e comoventes como este, é tentador coletar e analisar o maior número possível de amostras de DNA. Mas não torna isso certo”, declarou em entrevista ao The Next Web. 

De acordo com ele, que já se opôs à instalação de um banco de dados de DNA nacional com amostras de toda a população holandesa, um site com informações uteis pode sim auxiliar os policiais e diminuir o tempo e o dinheiro gasto na solução de um caso, mas não isso não é o suficiente para definir o culpado de um crime. “Não precisamos de uma rede maior para melhorar a captura de criminosos. Precisamos nos tornar melhores em interpretar os dados que já temos”, finaliza. 

(Equipe do site)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *