Membros do Sindicato da Construção Civil de São Paulo (Sinduscon-SP) afirmaram que o ano já acabou para o setor. Segundo os mais pessimistas, mesmo que a reforma da Previdência seja aprovada pelo Congresso Nacional, dificilmente o mercado formal de obras crescerá em 2019. 

Nesse sentido, as empresas de material de construção ou escritórios que atuam no início dos projetos ainda podem lucrar um pouco até o final deste ano. No entanto, aqueles que trabalham diretamente com a construção propriamente dita só deverão atuar em 2020. Um dos fatores responsáveis por isso são os custos que estão em alta e também a inflação do setor que cresceu 6,59% nos últimos 12 meses até abril. 

“Há um lapso de tempo entre a tomada de decisão de investimento e o desembolso no canteiro”, diz Eduardo Zaidan, do Sinduscon-SP (sindicato da construção). A estimativa é que o PIB do setor suba 1% a 2%, mas impulsionado pelo mercado informal, não pelas construtoras. 

(Equipe do site)

Deixe uma resposta

Fechar Menu