A implementação da tecnologia de inteligência artificial na citricultura promete otimizar o trabalho e acabar com as pragas nesse tipo de cultivo. De acordo com Barak Hachamov, presidente da SeeTre, uma empresa israelense que desenvolve uma tecnologia baseada no uso de drones equipados com sensores e câmeras de alta resolução, análise das folhas, do solo e até do que está debaixo da terra, a agricultura não pode ficar para trás nesse quesito. 

“São várias ferramentas atuando junto, construindo um grande banco de dados que vai fornecer uma informação muito precisa e individualizada ao produtor. E combinamos tudo isso com o trabalho humano, técnico e especializado”, explica. 

Segundo ele, a principal função da inteligência artificial na cultura dos citros é conseguir analisar árvore por árvore. “O mais importante é que, apesar de haver muitos problemas no pomar, você só consegue ver o todo. Não é possível ver as árvores uma a uma, e é isso que a SeeTree permite. A gente consegue identificar muito cedo quantos frutos existem, qual o tamanho de cada um. É possível antecipar em cinco, seis meses, e acompanhar a maturação”, conclui. 

(Equipe do site)

Deixe uma resposta

Fechar Menu