“O socialismo é a filosofia do fracasso, a crença na ignorância, a pregação da inveja. Seu defeito inerente é a divisão igualitária da miséria.” Conforme os fatos se acumulam, firmo minha convicção de que essas palavras proferidas pelo estadista britânico Winston Churchill (1874 – 1965) são a expressão real do que é a ideologia esquerdista, a melhor definição possível a respeito do marxismo. Porém, nem sempre tive noção dessa realidade. Assim como muitos ainda hoje creem nesse engodo, eu também já me deixei enganar pelo socialismo durante minha juventude.

Apesar de eu nunca ter oficialmente me considerado de esquerda, o processo de difusão das ideias socialistas introduziu conceitos errôneos nos meus pensamentos. Mesmo não me identificando com o rótulo da foice e do martelo, portanto, a influência de Marx me alcançou e impediu meu avanço intelectual e até profissional. Mesmo não sendo um militante revolucionário – até porque durante minha juventude não gostava muito de política – no fim das contas, em pontos-chave das discussões ideológicas acabava me posicionando no mesmo lado daqueles que Marx define como proletários. Por conseguinte, sem saber, era um disseminador da causa socialista.

E esse predomínio do pensamento marxista, ao contrário do que alguns acreditam, continua firme e forte nos dias atuais, devido à eficiência da doutrinação que atravessa gerações. É importante observar que o marxismo se transfigura e se apresenta de diferentes maneiras – e uma delas é intitulada atualmente como “social-democracia”.

Todos são alvos marxistas: tanto os incautos não familiarizados com assuntos de política (presas fáceis) como – pasmem! – muitos que são identificados com a direita. Esses, mesmo posicionados ao lado de liberais e conservadores na trincheira, estão, de forma inconsciente (ou até consciente), sob o domínio ideológico marxista. O discurso oficial é anti-esquerda, mas algumas raízes socialistas demonstram o contrário e os impulsionam a defender algumas bandeiras estratégicas da esquerda.  Mas e você, de que lado está?

Para encontrar a resposta basta refletir sobre alguns pontos essenciais da guerra ideológica e tentar identificar se você defende ao menos dois itens elementares presentes na agenda socialista. Um exemplo: se você apresenta alguma resistência à necessidade de uma reforma trabalhista mais profunda, significa que, certamente, em escala maior ou menor, Marx corre dentro de suas artérias. É um indicador infalível!  Outro exemplo é a opinião sobre a reforma da previdência, outro ponto chave que pode revelar o lado em que você se encontra nessa guerra. Muitos, infelizmente, apresentam dificuldades para compreender a importância que a reforma tem para que o país saia do buraco. Esses são apenas dois exemplos que demonstram como a influência do marxismo está presente no dia a dia das pessoas (sem que percebam isso) com suas ideias retrógradas e geradoras de miséria.

Não é preciso ser doutor em economia ou em ciências políticas para entender que nossas leis trabalhistas getulistas são defasadas e que a conta da previdência não fecha. Somente em outubro de 2018, por exemplo – mês em que foi realizado o pagamento da primeira parcela do décimo terceiro salário do ano passado aos segurados – o déficit da Previdência foi de 31,5 bilhões de reais (arrecadação de 30 bilhões e despesa de 61,5 bilhões). Ou seja, sai mais dinheiro do que entra e alguém tem que pagar a conta. No caso da Previdência, não se trata de ideologia, mas sim de aritmética. É como somar dois mais dois e chegar ao resultado quatro. Simples. Nenhum governo (no caso atual o de Bolsonaro) adotaria medidas tão impopulares se não fossem essenciais para a sustentabilidade do país e para que os pagamentos dos benefícios possam ser honrados. Seria suicídio político. É evidente!

Além disso, de acordo com dados do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), entre os anos de 1995 e 2017 cerca de 55 países elevaram a idade mínima para aposentadoria, sendo que 60 reduziram o valor pago aos segurados e 76 países elevaram a taxa de contribuição previdenciária – o que demonstra uma tendência internacional. Mas uma mente obstruída pelo engano do socialismo (e como já dissemos isso vale para direitistas mal informados) não consegue distinguir entre o bom e o mau, entre o certo e o errado, pois está iludida pelas utopias da esquerda que prometem almoço gratuito – o que não existe. Essa, aliás, é a Lição Número 1, o primeiro conceito que qualquer pessoa que não queira ser enganada ou considerada idiota politicamente precisa ter na ponta da língua: NÃO EXISTE ALMOÇO “GRÁTIS”! E você sabe qual é a Lição Número 2? É essa: jamais, sob hipótese alguma, esquecer da Lição Número 1. A constatação de Milton Friedman é tão precisa como a de Churchill (parágrafo inicial).

É triste ver pela televisão ou ler nos jornais e nos portais de jornalismo sobre o que ocorre na vizinha Venezuela, mas aquele povo está colhendo as consequências de ter apoiado o socialismo, se deixando enganar pela doutrinação bolivariana chavista. Provavelmente, muitos venezuelanos assim como eu nos tempos de mocidade, não se consideravam de esquerda, no entanto tinham ideias impregnadas que se casavam com o marxismo. No caso venezuelano, o povo deu respaldo ao tirano Hugo Chávez sem imaginar que estava vendendo a alma ao inimigo e permitindo o start à perpetuação de poder desse regime totalitário (que, é preciso lembrar, foi financiado pelo PT – o padrinho da barbárie na Venezuela).

Hugo Chávez e o tiranete Nicolás Maduro prometeram almoço “grátis” aos venezuelanos, mas agora não há sequer comida nas prateleiras dos supermercados. Nosso país vizinho é um case de (in) sucesso que prova a eficácia da Lição Número 1 (não existe almoço de graça). Todo assistencialismo ou pagamento de benefícios feitos de forma irresponsável estoura logo na frente (assim como acontece com o uso sem controle do nosso cheque especial: uma hora a conta vem e alguém vai ter que pagar).

O problema, no caso do socialismo, é que uma hora o dinheiro acaba, ao contrário do que sonham os revolucionários, pois ele não “dá em árvores”. As políticas do socialismo sobrevivem até que o dinheiro dos outros termine, como bem disse Margaret Thatcher (Primeira-Ministra do Reino Unido, de 1979 a 1990, e grande expoente do liberalismo econômico).

Exemplos do fracasso da filosofia marxista não faltam – e basta olhar para a Venezuela e Cuba que podemos vê-los – contudo inacreditavelmente muitos ainda se deixar enganar pelo engodo populista que defende o indefensável, que briga com a verdade e se distingue da razão.

O marxismo é um monstro que não pode ser alimentado, pois ele se expande como metástase  e, mais cedo ou mais tarde, destrói o que encontra pela frente sem perder a pose de salvador da pátria, sempre acusando o capitalismo pelo próprio fracasso. As pessoas precisam ter atenção e discernimento para não cair nesse conto que induz os cidadãos a esperar pelo estado e a depender dele, prometendo igualdade e justiça social, mas na realidade distribuindo a miséria de forma igualitária – como bem disse o pai dos ingleses, Winston Churchill.

Síntese do texto: sempre que aparecer um líder populista prometendo que o estado deve e pode fazer pelos cidadãos aquilo que eles precisam fazer por si, é fundamental ter atenção e lembrar da Lição Número 1: NÃO EXISTE ALMOÇO “GRÁTIS”! A não ser que Marx corra em suas veias, claro.

(Ianker Zimmer é jornalista)

Este post tem um comentário

  1. São graves as ofensas cometidas por parte de Gilmar Mendes e foram duas: CRETINOS e GENTALHA referindo-se a todos os integrantes do Ministério Publico de Curitiba PORÉM se ele não se deu conta OFENDEU POR EXTENSÃO o agora Ministro da Justiça SERGIO MORO considerado por toda a população brasileira O SÍMBOLO MAIOR E O CONDUTOR PRINCIPAL DA OPERAÇÃO LAVA JATO. Outro fato grave foi Dias Toffoli, também por extensão querer DIVIDIR A POPULAÇÃO ENTRE “BOLSONARISTAS” OU NÃO, SEGUINDO AS CARTILHAS DO SOCIALISMO E DO COMUNISMO DE DIVISÃO PARA ENFRAQUECIMENTO. Apoiamos e confiamos no perfeito entrosamento entre Sergio Moro e Bolsonaro e sabemos da capacidade e sabedoria de ambos para enfrentarem esse quadro. Agora NÃO SE PODE PERDER TEMPO: VAMOS COBRAR A IMEDIATA APROVAÇÃO DO PACOTE ANTI-CRIME DE SERGIO MORO, exigindo de DEPUTADOS e SENADORES providências urgentes porque sabemos que NESTE MOMENTO os advogados de todos os criminosos que estão presos (LULA, EDUARDO CUNHA, SERGIO CABRAL, etc) promovem uma CHUVA DE CAUTELARES visando libertá-los. E FINALMENTE QUE TODA A POPULAÇÃO DEMONSTRE SUA FORÇA NO DIA 17, NESTE DOMINGO, PROTESTANDO NAS RUAS DO PAÍS.

Deixe uma resposta

Fechar Menu