Donald Trump mais uma vez mostrou a que veio diante do Congresso norte-americano na noite de terça-feira, 5 de fevereiro de 2019. E chegou a provocar reações no mínimo curiosas em alguns dos seus opositores ou opositoras mais ferrenhos. Ao se dirigir a nação em seu segundo discurso sobre o Estado da União, Trump não deixou de tocar em assuntos espinhosos como a construção do muro na fronteira ao sul dos Estados Unidos. Além da polêmica do momento envolvendo o governador da Virgínia que defendeu abertamente o “aborto” ou, a matança de bebês após o nascimento. Isso, depois do estado de Nova York aprovar uma lei que permite o opção do aborto até o final da gravidez.

Em resposta, Trump pediu ao Congresso que aprove um projeto de lei proibindo o aborto quando o bebê puder sentir dor na barriga da mãe. Proposta essa não bem recebida pelas mulheres de branco presentes no parlamento. As democratas se vestiram assim em sinal de oposição ao presidente. Mas, quando a pauta mudou, nem mesmo elas puderam ficar indiferentes. Após a declaração de que 58% dos novos postos de trabalho criados no ano passado foram ocupados por mulheres, incluindo as congressistas americanas, houve aplausos efusivos chegando a comemorar o feito conquistado durante a administração Trump.

A mensagem ao Congresso também não agradou nem um pouco a ala mais radical do partido democrata e Bernie Sanders (hoje independente), além da jovem eleita pelo estado de Nova York, Alexandria Ocasio-Cortez. Ambos apoiadores do regime de Maduro e arautos do socialismo na América levaram um sura de realidade ao ter que ouvir de Trump que a Venezuela tem novo presidente. Ao apoiar o novo líder, Trump deixou claro: a América vai continuar sendo um bastião da liberdade, da vida e da democracia. E finalizou conclamando os legisladores a deixarem suas diferenças de lado para se unirem em prol do futuro dos Estados Unidos da América.

(Raquel Robaert é jornalista)

Este post tem um comentário

  1. Um projeto de lei para evitar o aborto quando o feto sentir DOR na barriga da mãe…. Meu Deus, a que ponto chegamos para sensibilizar uma massa de idiotas!

Deixe uma resposta

Fechar Menu