A tendência, este ano, é de que as privatizações dominem o mercado de capitalizações, fusões e aquisições no Brasil, segundo informam alguns banqueiros e investidores. Isso porque o Supremo Tribunal Federal (STF) acabou liberando a maior transação do ano, a venda da empresa de gasodutos TAG pela Petrobras para a francesa Engie por US$ 8,6 bilhões.

“Estamos nos preparando para mais uma rodada de privatizações de infraestrutura, que poderá incluir aeroportos, estradas de ferro e rodovias”, afirmou Hans Lin, chefe da área de banco de investimento do Bank of America no Brasil, dizendo que a reforma da Previdência pode auxiliar nesse novo patamar de vendas.

De acordo com o chefe da área de banco de investimento do Citi no Brasil, Eduardo Miras, espera-se “um volume maior de fusões e aquisições privadas no ano que vem, já que o prazo entre o início das discussões e os anúncios costuma ser de cerca de nove meses”, completa ele, que representa o banco que liderou o ranking de assessoria a fusões e aquisições este ano.

(Equipe do site)

Deixe uma resposta

Fechar Menu